Como estimular a autonomia infantil? Confira 7 maneiras ideais!

autonomia infantil
7 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Além de assegurar todos os cuidados básicos para as crianças, a escola tem um papel fundamental na sua formação: prepará-las para o futuro. Por isso, também precisa adotar medidas capazes de contribuir para o desenvolvimento da autonomia infantil, sendo trabalhada desde cedo.

A autonomia permite à criança conhecer a si mesma, criando consciência das suas qualidades e potenciais. Também favorece o despertar e o aprimoramento de habilidades, como senso crítico, poder de decisão, comunicação, entre muitas outras.

Além de contar com a escola, os responsáveis podem estimular essa autonomia em casa. Ao longo do artigo listamos sete maneiras de estimular o desenvolvimento das crianças e explicamos qual é o papel das instituições de ensino nesse processo. Continue lendo!

1. Permita brincadeiras com outras crianças

O primeiro contato social que a criança tem é com a sua família. Porém, ela não pode ficar restrita a esse círculo, uma vez que vivenciará modelos de convivência e exemplos muito limitados. A formação completa depende do contato com pessoas de diferentes culturas e formas de pensar.

Portanto, é muito importante que você permita que seu filho brinque com outras crianças. Afinal, as brincadeiras não são apenas entretenimento, mas também oportunidades para conhecer o mundo e desenvolver habilidades importantes de convívio social.

Esse contato estimula a autonomia infantil porque seu filho aprende mais, enriquece a imaginação e passa a descobrir seus próprios interesses

2. Respeite o espaço do pequeno

É natural que os responsáveis procurem cercar as crianças de cuidados. No entanto, também é importante dar espaço e deixar que encontrem sozinhas soluções para questões pequenas do dia a dia.

Estimular a autonomia infantil não significa deixar a criança atuar de forma livre, sem regras ou restrições, mas entender que ela está em processo de descoberta e não precisa ser auxiliada o tempo todo, mas instruída. Além disso, é fundamental respeitar as suas opiniões, preferências e até mesmo seus próprios sistemas.

Talvez a criança organize seus brinquedos seguindo uma determinada lógica, sendo importante respeitar esse raciocínio. Ela também deve se sentir livre para usar o banheiro sozinha, se vestir, tomar banho, assistir um programa de TV ou até mesmo ficar ociosa.

Tudo isso contribui com a maturação cognitiva e emocional. A criança deve perceber que é um indivíduo, e isso apenas será possível se os responsáveis permitirem que ela tenha o próprio espaço e entenda que a sua opinião tem valor.

3. Ensine a organizar as próprias coisas

Sair pela casa recolhendo tudo o que a criança deixa esparramado não contribui com o desenvolvimento da sua autonomia. O ideal é incentivar a organização, pedindo que a criança coloque de volta no lugar o que não está sendo utilizado.

Não é necessário dar broncas, mas orientar sobre a importância de organizar as próprias coisas. Não apenas para manter a casa em ordem, mas também para evitar que brinquedos ou objetos sejam perdidos e danificados, além de facilitar encontrá-los quando quiser usar outra vez.

Lembre-se de que é essencial respeitar o espaço do pequeno. Por isso, tente não impor o modo como tudo deve ser organizado. Você pode fazer sugestões e explicar que existem maneiras mais práticas de organização, mas evite impor a sua vontade ou recriminar as ideias da criança.

4. Delegue responsabilidades

Delegar responsabilidades para a criança é um dos melhores modos de estimular a autonomia infantil. Entretanto, costumamos ver adultos fazendo o contrário, ou seja, inibindo o pequeno de realizar ações por conta própria, seja por medo de ele se machucar ou quebrar coisas dentro de casa.

A criança pode ficar responsável por algumas tarefas, que devem ser selecionadas pelos responsáveis de acordo com a maturidade e desenvolvimento dela. Um bebê, por exemplo, é capaz de ajudar a colocar os brinquedos dentro da caixa.

Quando mais velhas, as crianças podem colocar seu prato na pia, a roupa suja dentro do cesto, enxugar louças, alimentar o animal de estimação, carregar compras leves, entre muitas outras tarefas simples que não oferecem risco para ela, mas a incluem na família e fazem com que percebam a sua capacidade e valor.

5. Incentive escolhas próprias

Ter senso crítico e opinião própria é fundamental para a formação de um cidadão consciente e atuante. O desenvolvimento dessas habilidades precisa acontecer ainda na infância para que desde cedo a criança perceba que também exerce um papel em sociedade, ainda que os seus círculos sociais sejam mais restritos.

A criança precisa ser incentivada a tomar suas próprias decisões sem que os responsáveis estejam sempre à frente. Esse processo pode começar de uma forma simples, limitando as opções. Afinal, a criança ainda não tem maturidade para ponderar a respeito de assuntos muito complexos.

Entretanto, apenas pelo fato de ser consultada e não simplesmente conduzida, ela já percebe que a sua opinião tem algum significado e começa a refletir sobre suas preferências e aquilo que lhe parece mais ou menos vantajoso.

6. Estimule ações

Além de delegar responsabilidades para a criança, é fundamental incentivar algumas ações específicas para promover a autonomia infantil. Os cuidados pessoais, por exemplo, consistem em uma excelente maneira de dar início ao processo.

Mesmo que a criança ainda não apresente total domínio da sua coordenação motora, ela deve ser estimulada a manusear objetos como colher ou escova de cabelo. Assim, além de aprimorar os movimentos, ela começa a cuidar de si sozinha. O mesmo se dá com trocas de roupa, banhos, colocação dos sapatos e assim por diante.

Esteja sempre por perto instruindo e monitorando, para que a criança se sinta segura e você possa ensiná-la e educá-la. Lembre-se de que nesse processo haverá muitas trapalhadas e bagunça, principalmente na hora de comer. Mas a criança não precisa de broncas, e sim de aconselhamento e instrução.

7. Entenda o poder da escola na autonomia infantil

Os responsáveis são agentes fundamentais no processo de autonomia infantil, porém a criança não convive apenas com a família. Sendo assim, é importante confiar na escola, pois nesse espaço acontece o desenvolvimento de habilidades e muitas outras competências.

O ideal é optar por uma instituição de ensino que não esteja preocupada em apenas ensinar conteúdos básicos e fazer os estudantes passarem em provas. A escola deve ter foco no amadurecimento das crianças, ou seja, em realmente prepará-las para a vida adulta, contribuindo com a formação de modo completo.

Adote diversas ações para estimular a autonomia infantil do seu filho, mas não se esqueça de que todo o seu trabalho é complementado pela escola. Portanto, preste atenção na hora de escolher a instituição, a fim de formar uma parceria de sucesso que beneficiará, em especial, a criança.

Para compreender melhor o papel da escola no desenvolvimento da autonomia e outras habilidades na infância, entre em contato conosco e converse com a nossa equipe!

Você também pode gostar

Deixe um comentário